17 de julho de 2007

Auto-Estima

Olá a todos!!!
Encontrei este texto que acho que está muito giro e que poderá, de alguma forma, ajudar pessoas que tenham menos facilidade em manter a sua auto-estima em cima...eu sei do que falo pois também eu passei (com sucesso) por um processo de aceitação do meu ser, logo de elevação da auto-estima...e agora sou feliz pois EU SOU O QUE EU SOU!!!
Beijos nos vossos corações!!

"O conceito que se tem de si mesmo é primordial para se viver bem e ser feliz. A imagem que todos nós formamos de nós mesmos, através do nosso desenvolvimento e da nossa história de vida, diz-nos quem nós somos, o que podemos esperar dos outros e de nós, até mesmo o que achamos que merecemos ter e ser. Dependendo de como construímos a matriz da nossa imagem pessoal é que veremos a nós mesmos e aos outros. É através desta lente que veremos o mundo e a partir disso que agiremos. Acontecimentos podem modificar essa imagem, “rachando” a lente original ou tornando-a ainda mais escura.

Quem tem a estima baixa está sujeito a vários problemas psicológicos, tais como depressão ou ansiedade, pois o seu modo de ver o mundo e consequentemente de se comportar fá-lo sentir-se infeliz ou inseguro e preocupado e deixa-o mais propenso a cair nas armadilhas da vida. No campo amoroso, o indivíduo pode, por exemplo, entregar-se a relacionamentos que o magoaram ou que não têm a oferecer o que ele quer de facto, por um pouco de atenção. Também pode-se tornar ciumento em demasia, por exemplo por acreditar que o ser amado poderá encontrar alguém que considere melhor do que ele. Na vida pessoal ou profissional, a pessoa com baixa estima pode deixar boas oportunidades passarem, por não se achar bom o suficiente para ocupar aquela posição ou lutar por aquilo, por exemplo. Pode deixar de cuidar do seu corpo como cuidava anteriormente e isso torna-se um ciclo vicioso que lhe parece não ter saída. O dó de si mesmo é comum em quem tem baixa auto-estima, assim como o medo de não conseguir ou de perder o desejado. A pessoa considera-se vítima das circunstâncias, dos maus relacionamentos, da “falta de sorte”. Patamares elevados de perfeição podem rondar a sua fantasia, pondo-se como uma barreira à realização de desejos que se tornam inatingíveis vistos desta óptica. O outro pode ser visto como sempre melhor, mais desejável, mais competente, mais provável de amor do que ele.

Pessoas com um bom conceito de si olham a vida de frente, confiam em si mesmas para conseguir as coisas que almejam e para superar as dificuldades que possam surgir. Quem tem auto-estima positiva sabe que mesmo se tudo der errado, mesmo que os problemas tenham sido o resultado de um acto próprio, ele tem valor e pode investir em si mesmo para que tudo melhore.

A valorização de si mesmo é um processo que se constrói no dia-a-dia e que pode ser ajudado através do auto-conhecimento. Quem se conhece, sabe da riqueza que existe no seu mundo interior, sabe dos recursos de que pode lançar mão nos momentos bons e ruins, confia mais em si mesmo.

Para conhecer-se melhor o indivíduo deve olhar para o seu interior, entrar em contacto com ele e questioná-lo. Um modo de se conhecer melhor a si mesmo, ter mais consciência de si e do seu mundo interior é fazer psicoterapia ou participar de grupo de vivência direccionado especialmente a este fim. O grupo de vivência objectiva este contacto consigo mesmo e com a riqueza que se carrega."

Um comentário:

carla carniça disse...

Obrigada eu linda! ;-P beijocas